A polêmica da retirada dos grampos do Cerro Torre - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Os grampos da via do compressor.

A polêmica da retirada dos grampos do Cerro Torre


Categoria: História

O americano Hayden Kennedy e o canadense Jason Kruk, aproveitam o descenso, depois de escalarem a aresta sudeste do Cerro Torre em “bom estilo” para eliminar parte das proteções fixas deixadas por Maestri em 1970.

A ascensão da aresta sudeste do Cerro Torre por Hayden Kennedy e Jason Kruk, em “bom estilo”, teve um epílogo que escreve um novo capítulo na história da mais famosa vertente da Patagônia. De acordo com o montanhista argentino Rolando Garibotti, os escaladores aproveitaram do descenso para eliminar uma boa parte das proteções fixas deixadas por Cesare Maestri quando o mesmo abriu a rota do compressor em 1970.

Para compreender esta polêmica, é necessário retornar ao tempo e resgatar a história da conquista desta impressionante torre de granito. Conta-nos Eduardo Prestes, que recentemente contou a impressionante trajetória do gaúcho Ricardo Baltazar, o último brasileiro a pisar no topo desta polêmica montanha, que no início, recebeu a alcunha de “montanha impossível” exatamente por sua impressionante forma de agulha com paredes muito inclinadas que superam os mil metros de desnível.

 Em 1958 e 59, o italiano Cesare Maestri fez uma séria tentativa nas faces leste e norte, juntamente com Cesarino Fava e Toni Egger, a qual custou a vida deste último. Apesar das alegações de Maestri de ter alcançado o cume com Egger, hoje em dia é consenso entre aqueles que estudaram o caso que o ponto mais alto atingido pela equipe foi um platô a cerca de 400 metros do glaciar. Depois de ser saudado como autor de um dos maiores feitos da história do montanhismo, Maestri pouco a pouco acabou envolvido em uma crescente aura de descrédito, até que em 1968 a revista inglesa “Mountain” referiu-se ao Cerro Torre como um cume ainda virgem. Desafiado em sua honra, Maestri retorna à Patagônia em 1970, para estabelecer a Via do Compressor, ao longo da crista sudeste da montanha. A escalada começa no inverno e acaba somente em janeiro do ano seguinte. Com o apoio de uma equipe e de uma furadeira acionada por um compressor de ar, Maestri colocou mais de 350 grampos na montanha, subindo até cerca de 60 metros do topo, onde deu por encerrada a empreitada, refugando as cordadas finais, em gelo. Se no início da via há um uso até criterioso das proteções fixas, nas partes altas fica evidente a crescente obstinação de Maestri em alcançar o cume a qualquer custo, com longos trechos de artificial fixo, constituindo ai uma das polêmicas discussões sobre ética no montanhismo, onde o estilo natural e livre foi deixado de lado por conta de uma grande obstinação que cercou Maestri.

Eis que em 2012, após inúmeras discussões sobre este episódio da história do montanhismo, num ato individual e longe de haver uma aprovação pela maioria, uma dupla de escaladores se aproveita do descenso pela mesma face escalada por Maestri em 1970 e decide eliminar as proteções fixas deixadas na montanha, em um trabalho que deve ter sido tão difícil quanto colocar as mesmas proteções. De acordo com os próprios autores do ato, foram necessários de três até sete marteladas nas proteções para que as mesmas saíssem da rocha. Foram cerca de 150 proteções removidas exatamente na parte mais inclinada da parede (Headwall) e algumas enfiadas abaixo.

Além dos detalhes de como removeram os polêmicos grampos, a dupla ainda conta que não as usaram para sua ascensão, pois seguiram uma linha que o próprio Jason, junto com Chris Geisler, haviam parcialmente aberto no ano passado, mas que foi finalmente finalizado neste ano, desta vez com Hayden Kennedy. Nesta linha, os escaladores utilizam apenas de equipamentos móveis e utilizaram apenas 5 proteções fixas, nenhuma delas colocada na parede por Maestri.

Uma dívida histórica?

A retirada das proteções fixas colocadas por Maestri levantou uma grande polêmica na imprensa mundial do montanhismo sobre o tema. Ainda que tenha havido muitas manifestações favoráveis à ação de Kennedy e Kruk, também são muitas as opiniões contrárias a eles. De fato, o próprio Maestri se posicionou em favor de remover os grampos e ele mesmo empreendeu esforços para eliminar alguns grampos na parte superior da montanha, não eliminando-os em sua totalidade devido ao enorme esforço e risco em fazê-lo.

Outros alpinistas de renome, como Silvio Karo, Ermano Salvaterra e principalmente Josh Wharton y Zack Smith, que em 2007 planejaram fazê-lo, se haviam mostrado partidário em arrancar os grampos. “Minha opinião é que quem ascendia, teria o direito de fazer um trabalho assim e deixar somente o compressor como símbolo desta ascensão” Disse Ermano Salvaterra em um artigo publicado pela revista Desnivel.

Eduardo Prestes, que observou toda a dificuldade enfrentada por Ricardo Baltazar em sua escalada no Cerro Torre neste ano faz justiça à rota de Maestri na Face Sudeste: Em justiça à Maestri, no entanto, é preciso que se diga que a maior parte da Via do Compressor consiste em escalada de considerável dificuldade técnica e alta qualidade, em agarras naturais. Apesar dos grampos, trata-se de uma escalada comprometida e muito além do trivial.

Por conta das novas dificuldades impostas na montanha, esta rota, que por segurança era a mais freqüentada na montanha, deixa de ser considerada a “rota normal”, titulo que ficou agora à cargo da rota aberta em 1974 na face Oeste, a Via Ragni, também aberta por italianos.

Fonte: Desnivel
Contribuição: Eduardo Prestes

 

Leia mais:

:: A conquista do Cerro Torre - parte I

:: A conquista do Cerro Torre - parte II

 



Publicidade:


Serviços Especializados


LOJA ALTAMONTANHA

Publicidade

Publicidade