Imperícia de escaladores que tentam escalar na Patagônia preocupa - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Impossibilidade de resgate

Imperícia de escaladores que tentam escalar na Patagônia preocupa

Nos últimos anos, o sucesso de diversos escaladores em galgar as belíssimas agulhas perto de El Chaltén, na Patagônia argentina, motivou pessoas menos experientes e sem pericia suficiente em realizar os mesmos intentos. O Ingresso crescente de pessoas com este perfil na região vem ocasionado acidentes. No entanto não há uma equipe profissional e nem meios de se realizar resgates naquela região.

Fonte: Desnível

Até pouco tempo atrás escalar as agulhas da região de El Chaltén, na Patagônia argentina, era um projeto para poucos “top climbers” já acostumados com grandes paredes e grandes desafios. Escalar estas agulhas enalteceu a fama de grandes escaladores, como Jim Bridwell ou Jim Donini entre outros grandes nomes que enfrentaram, venceram e se tornaram mitos neste confim remoto do planeta onde é mais comum ter dias com tempestade do que com céu azul.

É exatamente esta a dificuldade de escalar em Chaltén. Algumas vias podem não alcançar grande níveis técnicos, no entanto, mesmo assim é um ambiente hostil e as dificuldades são outras. É comum em um dia fazer sol e calor, de repente o tempo virar e começar a nevar e a fazer frio. Às vezes a névoa vai embora, mas aí é o vento que faz seu papel de assustar e tirar, literalmente, algumas cordadas da parede.

Até o começo do ano 2000 não existia nada além de alguns campings e um hostel na pequena Chaltén, cidade que praticamente fechava no inverno. Hoje há diversos hotéis, restaurantes e facilidades. Com a abertura do aeroporto de El Calafate, ir para a região escalar se tornou fácil e rápido. Isso tudo ajudou bastante e diversos escaladores conseguiram ter sucesso nas paredes e agulhas da região. Com a notícia de toda esta facilidade, uma leva de pessoas ainda não preparadas invadiu as montanhas da região achando que de fato era fácil mesmo, mas não é.

Diferente da Europa, onde há equipes de resgate profissionais nas montanhas, equipadas com helicópteros e amparados por precisas previsões meteorológicas, a Patagônia não conta com nenhuma destas facilidades. Na semana passada, um acidente com uma equipe de resgate amadora mostrou este lado negativo e colocou a argentina em alerta.

Uma ampla janela de bom tempo, abriu as possibilidades de escalada para todos que se encontravam em El Chaltén e evidentemente numerosos escaladores ávidos por granitos saíram em busca de seus objetivos. Entre ele figuravam os alemães Kastining Diltman e Ralf Gantzhurn que sofreram um acidente no norte do Fitz Roy quando ascendiam a supercanaleta. O primeiro deles caiu numa greta e sofreu múltiplas fraturas e traumatismos. Eles não iam encordados.

Devido à gravidade das feridas, foi solicitado evacuação aérea por helicóptero. De forma voluntária, o piloto Pablo Argiz, se colocou à disposição imediatamente, no entanto, ele próprio perdeu a vida tentando realizar o resgate. O escalador alemão foi levado mais tarde até El Calafate, resgatado de forma tradicional pelos voluntários por terra.

Paralelamente outro acidente ocorreu no glaciar embaixo do maciço do Cerro Torre, protagonizado pelos italianos Daniele de Patre e Andreas, que pediram ajuda de escaladores voluntários para poder descer. Um deles, o alpinista americano Colin Haley explicou desta forma em sua página no Facebook: “Um mês e meio depois de minha chegada na Patagônia, finalmente chegou uma janela de bom tempo em El Chaltén. Desgraçadamente, Sarah Hart e eu dedicamos a primeira metade da janela ajudando a resgatar a dois escaladores muito inexperientes que haviam sofrido uma queda no glaciar do Cerro Torre. Sem dúvida é frustrante para a equipe voluntária de resgates ter que ir atrás de algum escalador acidentado toda vez que abre uma boa janela de tempo, sempre pela falta de habilidade básica destes alpinistas que deveriam ter como pré requisito experiência antes de entrar em um lugar como este. Não estou seguro de qual é a solução, mas está claro que o nível médio dos escaladores no maciço de Chaltén é muito mais baixo hoje do que uma década atrás”.

Veja mais:

:: Região de El Chaltén no Rumos: Navegação em montanhas
:: Livro Seguridad y Riesgo – Editora Desnível
 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade