Brasileiros ficaram ilhados no Atacama após escalada ao vulcão mais alto do mundo - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Tragédia no Atacama

Brasileiros ficaram ilhados no Atacama após escalada ao vulcão mais alto do mundo

Uma equipe de 11 brasileiros 4 argentinos e 1 húngaro que escalaram o Ojos del Salado, o vulcão mais alto do mundo no Chile, ficou presa na cidade de Copiapó, em meio ao deserto do Atacama, após fortes chuvas e enchente catastrófica que devastou a cidade.

Fonte: Redação

Pode parecer incrível, mas uma forte chuva seguida de uma devastadora enchente em pleno deserto de Atacama deixou ilhada uma expedição brasileira que dias antes logrou fazer cume no vulcão em atividade mais alto do mundo, o Ojos del Salado.
 
A expedição, levada a cabo pelo famoso guia de montanha Maximo Kausch, teve que ficar 2 dias no hotel quase sem comunicação, racionando água e comida. O grupo que havia enfrentado e vencido grandes dificuldades na montanha, foi surpreendido pela tragédia da cheia do rio Copiapó, a pior em mais de 18 anos.
 
Fenômeno raro
 
É muito raro chover no Atacama, que é considerado o deserto mais seco do mundo e ainda mais da maneira que ocorreu a tragédia. Uma forte massa de ar úmida e quente invadiu o Chile vindo do mar e ocorreu uma grande precipitação nas montanhas da região, onde é normal nevar. A água escoou rapidamente pelo vale do rio Copiapó e ganhou velocidade a ponto de destruir pontes, levar carros e até caminhões. Ao chegar ao sitio urbano de Copiapó, a água se espraiou e invadiu todas as ruas do centro da cidade, arrastando tudo o que encontrava pela frente e causando grande destruição.
 
A rua do hotel onde ficaram os brasileiros foi uma das atingidas. Eles contam que durante a chuva, viram de tudo sendo levado pela correnteza, até um corpo. As águas depositaram uma lama que tomou conta da cidade, chegando em alguns pontos a um metro de profundidade.
 
Mesmo depois das chuvas, as águas continuaram a escorrer pelas ruas e a dificuldade foi conseguir sair dali. O grupo precisou de caminhonetes 4x4 para conseguir passar pela lama e chegar ao aeroporto, de onde foram evacuados. Três guias, incluindo Maximo Kausch, ficaram na cidade mais um dia e saíram depois num jipe rumo a cidade argentina de Mendoza.
 
Maximo conta que a cidade ficou totalmente destruída e que quando ele conseguiu sair dali em jipe, ele viu o exercito vigiando mercados e casas, para que as mesmas não fossem saqueadas. Já faltavam alimentos, água e luz na cidade. Apesar do susto, todos os clientes já chegaram em casa e passam bem. Maximo continuará guiando o Ojos del Salado todos os anos, pois diz que a tragédia enfrentada pelo grupo foi um episódio raro.
 
Notícias relacionadas:
 
 

Publicidade