Morte de Parofes completa um ano - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Amigos fazem homenagens

Morte de Parofes completa um ano

Colunista do AltaMontanha faleceu no dia 10 de Maio de 2014, aos 36 anos de idade, devido agravamento da Leucemia. Seu último texto viralizou na internet e denunciou a demora em conseguir doadores de medula óssea.

Fonte: Redação

A morte do montanhista Paulo Roberto Felipe Schmidt, o Parofes, fez um ano neste último domingo. Natural do Rio de Janeiro, mas morando em São Paulo desde 2007, Parofes era conhecido por sua irreverencia e bom humor e também por ser um amante da natureza e do montanhismo. Ele foi colunista do AltaMontanha e durante o ano de 2013 o editor do site.

Parofes faleceu devido ao agravamento de seu quadro de leucemia, após lutar por dois anos contra a doença. Com seu jeito alegre, ele conseguiu fazer com que milhares de pessoas se cadastrassem no sistema de doação de medula óssea, o REDOME, mas nunca conseguiu doadores com compatibilidade. No final de sua vida, ele recebeu a notícia que tinha 5 possíveis doadores, fez exames para verificar a compatibilidade real, mas morreu sem saber dos resultados.

Um pouco antes de falecer, Parofes escreveu um texto em que denuncia a dificuldade em conseguir o transplante do órgão. Ele também critica a burocracia do REDOMA e a lentidão do sistema.  Este texto viralizou na internet e foi exibido em diversos portais da mídia tradicional brasileira.

Homenagens

Para homenagear Parofes, um grupo de pessoas liderado pelo montanhista Pedro Hauck subiu uma montanha no Paraná debaixo de chuva e no alto jogou um pouco suas cinzas. “O Camapuan foi a primeira montanha que ascendi com o Parofes, isso no ano de 2007” Disse Pedro. “O tempo naquela ocasião foi exatamente frio e chuvoso, como ontem” Conta.

Pedro Hauck, que recentemente se tornou o montanhista brasileiro com mais cumes de seis mil metros nos Andes, e o guia de montanha Maximo Kausch estão despejando as cinzas do companheiro no cume de montanhas que escalam. Até o momento, a dupla já jogou as cinzas no cume de 15 delas nos Andes, 11 acima de 6 mil metros. Suas cinzas também foram deixadas no acampamento base do Annapurna, montanha de mais de 8 mil metros localizada no Nepal.

A dupla continuará jogando as cinzas do amigo até o fim, mas salientam que a última porção será deixada no cume das Agulhas Negras, montanha localizada no Planalto do Itatiaia (RJ) que era a montanha favorita de Parofes.

O Parofes me pediu para deixar as cinzas dele lá, mas quero deixar isso para ser o último lugar. Eu prometi a ele com vida e quando nos despedimos e ele falou que se eu não cumprisse ele iria puxar meu pé pra baixo da cama” Ri com a irreverencia do amigo falecido.

Veja mais:

:: Minha última coluna - Coluna de Parofes

Publicidade