Carlos Soria, o homem recorde em longevidade nos oito mil - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Depois do cume no Annapurna

Carlos Soria, o homem recorde em longevidade nos oito mil

O alpinista espanhol acumula mais recordes que ninguém como pessoa de mais idade a escalar as montanhas mais altas da Terra. Ele tem sido destaque em escalar montanhas de oito mil metros, projeto que começou a realizar depois de se aposentar. Faltam apenas mais duas para ele finalizar as 14 montanhas acima de 8 mil metros do mundo.

Fonte: Desnível

O exemplo em que se converteu Carlos Soria já deu volta ao mundo há um bom tempo. O alpinista espanhol não é apenas um fenômeno esportivo, mas também de extraordinária longevidade. Ele é capaz de alcançar cumes de montanhas acima dos 8 mil metros aos 77 anos de idade e demonstrar que idade não é um fator limitador.
 
A trajetória de Carlos Soria nos últimos anos tem deixado vários recordes mundiais por ser a pessoa mais velha a escalar várias montanhas. Como o Annapurna, montanha de 8091 metros de altitude que ele escalou no último domingo, dia 1 de Maio aos 77 anos e 87 dias, Soria se converteu na pessoa de mais idade a escalar 8 das 14 montanhas acima de 8 mil metros. Ele ainda não pretende acabar por aí, pois pretende ainda escalar o Dhaulagiri e o Shishapangma, as duas ultimas montanhas do projeto que lhe faltam.
 
Abaixo listamos todos os recordes realizados em montanhas de 8 mil metros de Carlos Soria:
 
K2 (8.611 m) aos 65 anos
 
No dia 28 de Julho de 2004, Carlos Soria alcançou o cume do K2 (8611m), coincidindo com o cume de Iñaki Ochoa e outros alpinistas. Aquele foi o ano do cinquentenário da primeira ascensão e muitas expedições estiveram na montanha que é talvez a mais difícil de todos os 8 mil. Ele tinha então 65 anos e foi o primeiro recorde dele, superando Kurt Diemberger, outro mito, que fez cume aos 54 anos.
 
Broad Peak (8.051 m) aos 68 anos
 
No dia 28 de Julho de 2007, Carlos Soria adicionou outra montanha recorde em sua vida, o Broad Peak de 8051 metros. Curiosamente este ano também foi o cinquentenário desta montanha no Karakoram, que Carlos coroou depois de sua ultima jornada de 20 horas de ascensão em que seus companheiros Sito Carcavilla e Rafa Sánchez deram meia volta. 
 
Makalu (8.485 m) aos 69 anos
 
No dia 11 de Maio de 2008, menos de um ano depois e poucos meses de completar sete décadas de vida, Carlos Soria lograva uma nova marca em sua carreira com o cume do Makalau, a quinta montanha mais alta do mundo.
 
Gasherbrum I (8.080 m) aos 70 anos
 
No dia 3 de Agosto de 2009, já com 70 anos completos, repetiu exito e recorde no Gasherbrum de 8080 metros. Nesta expedição ele dividiu acampamentos com a coreana Oh Eun Sun, no polêmico episódio da busca dos primeiros 14 x 8 mil feitos por uma mulher. O espanhol realizou um ataque final ao cume desde o campo 3 que começou as duas da madrugada e acabou às 6 e meia da tarde daquele dia.
 
Manaslu (8.163 m) aos 71 anos
 
No dia 17 de outubro de 2010, Carlos Soria conseguiu o cume do Manaslu, montanha de 8163 metros que foi muito especial para ele, pois o espanhol havia tentado durante sua primeira expedição ao Himalaia no longínquo ano de 1973, com novas tentativas em 1975, 1999 e na primavera de 2010, antes de coroar finalmente no outono daquele ano. Um exemplo de superação no montanhismo.
 
Lhotse (8.516 m) aos 72 anos
 
No dia 21 de maio de 2011, Carlos Soria coroava o Lhotse (8516m), a quarta montanha mais alta do planeta, dando uma nova mostra de sua sabedoria nas montanhas. Aquele dia marcou um episódio negativo ao himalaísmo espanhol, pois foi o dia de muitos cumes e quase uma tragédia, quando Juanito Oiarzabal teve que ser resgatado. Um dos poucos montanhistas desta nacionalidade que não precisaram de ajuda para descer da montanha foi justamente Carlos Soria.
 
Kangchenjunga (8.586 m) aos 75 anos
 
No dia 18 de Maio de 2014, Carlos Soria rompia com o tabu de quase 3 anos tentando escalar o Kangchenjunga (8586m), a terceira montanha mais alta do mundo. Ele fez cume com Sito Carcavilla, Luis Miguel López e o médico Carlos Martínez, além dos sherpas Muktu, Barbu, Pasang e Jombu. No total foram 14 horas de esforço do acampamento alto até o cume e regresso ao acampamento alto.
 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade